Guaíba Online

MENU
Logo
Domingo, 05 de dezembro de 2021

🚘 Transporte e Veículos

Superlotação da Expresso Rio Guaíba será investigada e levada ao Governador e Ministério Público

Alguns parlamentares e líderes comunitários cobram audiência pública para nova licitação do serviço e valor de passagem justo

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback/h5>
Máximo 600 caracteres.
enviando

As reclamações dos moradores de Guaíba em relação à Expresso Rio Guaíba, que faz o transporte intermunicipal entre Guaíba, Eldorado do Sul e Porto Alegre, são constantes e incisivas. As denúncias de superlotação, até mesmo no período de pandemia, serão encaminhadas ao governador Eduardo Leite e ao Ministério Público (MP), com pedido urgente de providências. O assunto esteve em debate na Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa do RS. A Metroplan, que responde pelo transporte intermunicipal da Região Metropolitana e é presidida pelo ex-prefeito de Guaíba José Sperotto, não compareceu.

Ao observar que, além de poucos horários disponíveis para a população, há o registro de superlotação dos ônibus, mesmo no período de pandemia e contaminação pelo coronavírus, o parlamentar Airton Lima, que coordenou o debate, disse que "são mais de 600 mil passageiros mensais em viagens de ida e volta que precisam de transporte com disponibilidade de horários". Ele vai encaminhar ao governador e ao MP ofício com ata da audiência pública, solicitando providências urgentes.

Já representando a Câmara de Vereadores de Guaíba, o vereador Juliano Ferreira fez uma a exposição do problema e disse que diversos requerimentos, ofícios e moções reclamando a situação já foram enviados à Metroplan, porém sem resposta. Como a fiscalização do transporte público intermunicipal é responsabilidade da Metroplan, o vereador buscou ajuda da Assembleia Legislativa.

O vereador apontou ainda a demora na integração dos coletivos nos bairros e o alto valor da passagem. "É a passagem mais alta da Região Metropolitana, embora com trechos menores do que em Novo Hamburgo, onde o custo da passagem é menor", afirmou. Ele pediu transparência nos custos da passagem, assim como da linha municipal, que também pratica altos valores.

Roberto de Oliveira, pela União de Associação de Moradores de Guaíba, apontou que o problema é antigo e estranhou o fato de o atual superintendente da Metroplan, José Sperotto, que foi prefeito de Guaíba, não ter dado respostas à população. Oliveira disse que o Expresso Rio Guaíba tem concessão de 40 anos e desde 2009 não foi feita nova renovação, assegurando que a empresa opera ilegalmente em Guaíba.

O representante dos moradores afirmou que, em Guaíba, são 52 loteamentos, mas o serviço é prestado nas vilas por outros coletivos em terminais esparramados que utilizam pequenas vans, insuficientes para todos os passageiros, o que provoca a superlotação.

Roberto pediu que a Assembleia faça audiência pública para nova licitação do serviço, para novas linhas ao município e Região Metropolitana, uma vez que essa precariedade acontece também em Alvorada, Cachoeirinha e demais municípios. Segundo ele, a Expresso Rio Guaíba ignora as reclamações da população e das entidades.

 

Créditos (Imagem de capa): Google / Reprodução / GO

Comentários: