Guaíba Online

MENU
Logo
Sexta, 26 de fevereiro de 2021

Coluna

O dia que o Rio Grande do Sul clareou com o sabor da saudade

No último dia 18, Telmo de Lima Freitas, uma lenda da música gaúcha, despediu-se do mundo terreno

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback
Máximo 600 caracteres.
enviando

Telmo de Lima Freitas, nasceu em 13 de fevereiro de 1933 na cidade de São Borja, percorreu uma trajetória belíssima no mundo da música gaúcha. Participou do grupo Quarteto Gaúcho e foi apresentador do programa gauchesco Porongo de Pedra, na Rádio ZYFZ-Fronteira do Sul, de sua cidade natal. Em 1969, participou do primeiro Festival de Música Regionalista organizado pela Rádio Gaúcha e em 1973 lançou seu primeiro disco, intitulado O Canto de Telmo de Lima Freitas.

.

Logo surgiram as premiações, juntamente com Edson Otto e José Antônio Hahn criou o grupo Os Cantores dos Sete Povos, com o qual conquistou o troféu Calhandra de Ouro da Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana, em 1979, com a canção Esquilador. Posteriormente com outro álbum “A mesma fuça” recebeu o Troféu Açoriano de Melhor Compositor e Melhor CD Regional.


No mundo dos versos foi autor do livro de poesias crioulas "De Volta ao Pago" e no cinema participou do filme A Lenda do Boitatá. Em sua história foi autor de diversas canções, entre elas: Prece ao Minuano, Cantiga de Ronda, Baile de Rancho, Nesga da Noite, Morena Rosa, Lembranças, Prenda Minha. Mas tenho certeza que ao ler o nome da canção “Esquilador”, ainda que não tenha reconhecido o artista pelo nome, lembrou-se de quem se tratava pela sua obra que tem o conhecido verso “Quando é tempo de tosquia já clareia o dia com outro sabor”.

Ocorre que no último dia 18, essa lenda da música gaúcha, aos recém completados 88 anos, despediu-se do mundo terreno, na cidade de Cachoeirinha. Repentinamente, partiu para seguir cantando nos pagos de Deus. Telmo, que foi conselheiro honorário do MTG e foi patrono da Semana Farroupilha em 2009, teve uma importante responsabilidade para a cultura do estado, influenciando tradicionalistas de diversas gerações.

..

“Telmo é um homem que obviamente não era deste tempo de hoje. Ele viveu uma época em que construiu o seu caráter folclórico e o preservou, tentando transmiti-lo à juventude. Sempre respeitando as origens do regionalismo do nosso Estado, buscando pela raiz esse ser humano muito tribal” conforme descreveu César Oliveira em uma reportagem para GZH desta semana.

Recordo-me que, quando perdi meu pai, alguém me disse que nós não morremos quando deixamos essa vida, pois se marcamos a vida de outras pessoas que pela nossa passaram, por certo seremos eternos. Assim, não restam dúvidas que Telmo de Lima Freitas seguirá vivendo em nossos corações e  por muitas gerações mais, afinal sua obra prima que já era, justamente vangloriada, agora se encarrega de eternizá-lo.

..

Algumas pessoas dizem que o que dá sentido à vida é a certeza da morte, mas a verdade é que nunca estamos preparados para este momento e, portanto, nos dói a alma a despedida  deste ícone gaúcho. O que nos cabe é seguir seu exemplo, que saibamos honrar a sua memória mantendo viva a tradição e cultura do nosso povo. De fato, querido Telmo, no dia 18 o Rio Grande do Sul clareou com outro sabor, mas diferente da sua canção, desta vez o gosto foi o da saudade. Obrigada pela sua arte, que receba muita luz e que Deus conforte a sua família.


...

 

Comentários: