TVGO | Guaíba Online

Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

🚔 Segurança e Polícia

Policiais rodoviários federais usarão câmeras corporais a partir de 2024

Estudos apontam que o uso da tecnologia diminui em mais de 50% a letalidade policial e reduz pela metade reclamações sobre conduta de policiais.

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Policiais rodoviários federais usarão câmeras corporais a partir de 2024
Antônio Cruz / Agência Brasil
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apresentou, na quinta-feira (25), projeto para implementar o uso de câmeras corporais nos uniformes dos policiais.

 

Os testes práticos começam em novembro, em projeto coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. O Projeto Estratégico Bodycams prevê que a partir de abril de 2024 cerca de 6 mil agentes utilizem os equipamentos, aproximadamente metade da força policial.

Leia Também:

Leia também: Vereadores discutem projeto que obriga instalação de detectores de metais em todas escolas de Porto Alegre

Estudos apontam que o uso da tecnologia diminui em mais de 50% a letalidade policial, além de reduzir pela metade as reclamações sobre a conduta de policiais.

O Secretário de Acesso à Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Marivaldo Pereira, afirma que as câmeras são instrumentos importantes para evitar casos como o de Genivaldo de Jesus, morto, há um ano, durante abordagem de policiais rodoviários, em Sergipe.

“E eu acredito que poderia ter evitado situações com a do Genivaldo, sem dúvida alguma. Por isso que essa é uma política muito simbólica. Para a gente, é um episódio extremamente lamentável. A dor daquela família é algo indescritível. Nosso desejo é que isso nunca mais se repita no âmbito da Polícia Rodoviária Federal ou de qualquer outra polícia”, afirma.

Em janeiro deste ano, o Ministério Público Federal recomendou que a PRF fizesse uso das câmeras. A ideia surgiu exatamente após o assassinato de Genivaldo de Jesus Santos.

 

Entenda o caso de Genivaldo 

No mês de abril, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a prisão dos dois policiais rodoviários federais acusados pela morte de Genivaldo de Jesus Santos por asfixiamento em uma viatura da corporação, em maio de 2022.

Imagens divulgadas na internet mostram a ação policial que deixou a vítima presa em uma viatura esfumaçada. O homem se debate com as pernas para fora enquanto um policial rodoviário mantém a tampa do porta-malas abaixada. Na oportunidade o homem está impedido de sair ou respirar. Genilvado teria sido parado pelos agentes por trafegar de moto sem capacete.

Os ministros da Sexta Turma do tribunal decidiram manter a prisão preventiva por entenderam que os policiais agiram com força desproporcional e contrariamente às normas internas. Além disso, os magistrados consideraram que a vítima tinha problemas mentais e não ofereceu resistência à abordagem.

Em janeiro, a Justiça do estado de Sergipe determinou que os agentes da PRF envolvidos no caso sejam submetidos a júri popular pelos crimes de tortura e homicídio triplamente qualificado.

 

Dados sobre a PRF do Brasil

  • História: A PRF foi criada em 1928, inicialmente como uma divisão da Polícia Federal. Em 1945, tornou-se uma instituição independente.
  • Atribuições: A PRF tem como principais atribuições a fiscalização do trânsito, o combate ao crime nas rodovias federais, a prevenção e o combate ao contrabando e tráfico de drogas, a promoção da segurança viária e a assistência aos usuários das rodovias.
  • Efeito territorial: A PRF atua em todo o território nacional, nas rodovias federais, que totalizam mais de 70 mil quilômetros.
  • Efetivo: O efetivo da PRF varia ao longo do tempo, mas atualmente a instituição conta com cerca de 12 mil policiais rodoviários federais.
  • Base operacional: A PRF possui uma estrutura organizacional com unidades operacionais em diversos estados do Brasil, incluindo postos de fiscalização, delegacias, superintendências regionais e uma sede nacional em Brasília.
  • Formação e seleção: Para ingressar na PRF, é necessário passar por um concurso público que envolve etapas de prova escrita, teste de aptidão física, avaliação psicológica, investigação social e curso de formação na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal.
  • Viaturas e equipamentos: A PRF utiliza uma variedade de viaturas para o patrulhamento e fiscalização, incluindo carros, motocicletas e caminhões. Além disso, a instituição também utiliza equipamentos como radares, etilômetros (bafômetros), drones e sistemas de comunicação avançados.

Leia também: Após dez quilômetros de perseguição em Porto Alegre, PRF prende foragido com carga roubada

 

Comentários: