Guaíba Online

MENU
Logo
Quarta, 20 de outubro de 2021

🚔 Segurança e Polícia

Último suspeito de matar motorista de app é preso na Cohab; morte foi ordem de líder do tráfico no Ipê e São Jorge

Suspeito também vinha expulsando moradores para transformar casas em bocas de fumo na Cohab

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback/h5>
Máximo 600 caracteres.
enviando

O assassinato do motorista de aplicativo ocorrido em fevereiro deste ano em Guaíba foi esclarecido pela Polícia Civil. Na manhã desta segunda-feira (27) a prisão do último envolvido no crime foi anunciada. Na última sexta-feira os agentes capturaram o quarto criminoso que participou da execução da vítima no bairro Cohab. Ele portava uma pistola com três carregadores e entorpecente. A operação Cartada Final foi coordenada pela titular da DP de Guaíba, delegada Karoline Calegari. Durante as investigações, um fuzil foi apreendido. O inquérito já foi remetido à Justiça.

Leia também: Câmara de Guaíba oferece cursos EAD sobre técnicas e processos legislativos

Após sair da casa de amigos para fazer uma corrida até Canoas, no dia 06 de fevereiro, motorista de aplicativo, de 31 anos, foi dado como desaparecido. O corpo da vítima foi encontrado no dia 19, enterrado em uma cova profunda em um matagal às margens do Guaíba, no bairro Ipê. Foi necessário o uso de uma retroescavadeira para retirar o cadáver carbonizado sob a terra. A ação foi realizada pela a Companhia Especial de Busca e Salvamento (CEBS) do Corpo de Bombeiros Militar, de Porto Alegre.

Como ocorreu o crime

Segundo a delegada Karoline Calegari, as investigações apontaram que o motorista de aplicativo foi morto por ordem de um dos líderes do tráfico de drogas nos bairros Ipê e São Jorge e que cumpre pena em prisão desde 2013. O traficante fez com que o motorista de aplicativo fosse atraído para uma emboscada, simulando um pedido de uma corrida para Canoas. De acordo com a delegada, a vítima deveria buscar entorpecentes e receberia em troca uma parte da droga. Um adolescente embarcou no veículo do motorista que acabou sendo rendido por dois indivíduos, incluindo o preso de sexta-feira, no bairro Ipê. A ideia inicial do traficante era “dar um castigo” na vítima pois a mesma estaria fazendo corrida para grupos rivais e teria ainda consumido uma parte da droga que havia recebido para a venda.

No matagal, o motorista de aplicativo permaneceu refém a noite inteira, ficando incomunicável. No dia seguinte, depois de cerca de 12 horas “de castigo”, o indivíduo (que foi preso na sexta-feira) apareceu no local e deu uma arma ao adolescente que executou a vítima, previamente amordaçada e encapuzada, com um disparo no pescoço. Obedecendo ordem, o menor tentou ainda fazer uma decapitação com uma faca, mas não teve êxito. O corpo foi jogado na cova, sendo carbonizado e enterrado.

Atuação no tráfico do bairro

O mesmo indivíduo capturado na Cohab foi também indiciado por extorsão, pois vinha expulsando moradores das residências para transformá-las em bocas de fumo e esconderijos. O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mario Souza, destacou a “crueldade dos criminosos no assassinato investigado”. A delegada Calegari assegurou a existência de “provas contundentes da participação de todos os indiciados”. 

Leia também: Coluna de Vera Salbego > Algumas pessoas usam umas às outras como usam suas roupas

Créditos (Imagem de capa): Polícia Cicil

Comentários:

Veja mais