TVGO | Guaíba Online

Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

Geral

Exercício físico na gravidez: deve-se ou não fazer? Entenda mais sobre esta prática

São poucas as condições que inviabilizam a prática de exercícios físicos durante a gestação

Jennifer Garske - Bem Estar
Por Jennifer Garske - Bem Estar
Exercício físico na gravidez: deve-se ou não fazer? Entenda mais sobre esta prática
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Exercício físico deve fazer parte da rotina de todas as mães.  A prática de exercícios físicos durante a gestação pode  - e deve! - ser feita por todas as mulheres, mesmo aquelas acostumadas a levar uma vida sedentária. Podendo ser realizadas por grávidas saudáveis (sem contra indicações) desde o início até as últimas semanas de gestação..

As grávidas devem manter níveis moderados de atividade física, isto é, sustentar um ritmo vigoroso, mas sem cansar demais. É ideal  combinar exercícios aeróbicos com musculação, em sessões de 40 a 60 minutos de duração de 2 a 4 vezes por semana. Levando uma rotina que inclua de exercícios de intensidade moderada nessa frequência indicada, há menos chances de ganho de peso excessivo, assim como de desenvolver diabetes gestacional e pré-eclâmpsia.

A prática de atividades físicas reduz também o risco de incontinência urinária, de flacidez pélvica e de dor nas costas. Além disso, quando a grávida segue uma rotina de exercícios com regularidade, o bebê tem menos chances de pesando mais que 4kg..

Leia Também:

Vale lembrar também que, quanto melhores são as condições de saúde da mãe, menos provável é a indicação de cesárea.  Mas, independente do tipo de parto escolhido pela mulher, é muito importante fazer exercícios que possam fortalecer o assoalho pélvico.  Isso porque, conforme o bebê vai crescendo dentro da barriga, ele começa a pesar sobre a região perineal e, no futuro, a pelve pode ficar mais frouxa, levando a mulher ter problemas de incontinência urinária.

Normalmente, recomenda-se para as gestantes atividades na água, graças à redução do impacto e porque não há risco de a mulher perder o equilíbrio e cair.

Além da hidroginástica, que é um exercício clássico para gestantes, a natação também é ótima. Atividades com mais impacto também podem ser realizadas, desde que a grávida esteja acompanhada por um profissional especializado e que o exercício seja adaptado à sua nova condição. Por exemplo, uma mulher que corre maratonas precisa diminuir o ritmo. Mas não precisa necessariamente parar de correr se estiver tudo bem.

.Mas todas as grávidas podem?

São poucas as condições que inviabilizam a prática de exercícios físicos durante a gestação. Normalmente não se trata de uma doença anterior da mulher, e, sim, de algum problema ou risco particular àquela gestação. Se a gestante teve, por exemplo, sangramento vaginal com descolamento da placenta, encurtamento do colo uterino, ou se entrou em trabalho de parto prematuro, a prática de atividades físicas é desaconselhada por aumentar o risco de o bebê nascer antes da hora.

Autorizada pelo obstetra, a prática de exercícios traz benefícios que não se limitam só ao físico. Quando a mulher se exercita, o corpo libera uma série de hormônios que provocam bem-estar, melhorando o humor, reduzindo o estresse e isso se estende também ao bebê, uma vez que cai na corrente sanguínea da mãe, por meio da placenta chegará até ele. Além disso, a mulher que pratica atividades físicas tem mais confiança no próprio corpo, mais controle, é mais autoconsciente. E isso faz toda diferença na hora do parto, porque a deixa muito mais segura. Bora treinar, mamães?

 

Comentários:
Jennifer Garske - Bem Estar

Publicado por:

Jennifer Garske - Bem Estar

Saiba Mais