TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Geral

Musculação feminina: entenda mais sobre a prática e suas reações corporais

As mulheres podem ir sem medo para treinos de força - somente ficarão "masculinizadas" se fizerem uso inadequado de hormônios

Jennifer Garske - Bem Estar
Por Jennifer Garske - Bem Estar
Musculação feminina: entenda mais sobre a prática e suas reações corporais
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Antigamente as meninas ouviam “jogar bola é coisa de menino, menina tem que fazer ballet”, e não era diferente quando o assunto era musculação feminina. O corpo feminino por ser mais delicado, porém não frágil, socialmente era mais comum as mulheres iniciarem sua “vida fitness” na dança, ballet, ginástica artística quando criança, e a musculação sempre foi relacionada à ganho de músculos, surgindo um preconceito até entre as mulheres que achavam que treinando musculação ficariam masculinizadas Na academia, era mais comum ver as mulheres na sala de ginástica, fazendo aula de aeróbica, dança e ginástica localizada e os homens na musculação..

Hoje em dia, felizmente, os tempos são outros, foi acabando aquele mito que mulher ficava masculinizada se treinasse musculação. As pessoas foram tendo mais informações sobre a diferença de mulheres atletas de fisiculturismo e mulheres apenas praticantes de musculação como forma de lazer, benefícios do corpo, mente e qualidade de vida.

Cada vez mais cresce o número de mulheres na musculação com o objetivo de ter uma melhor saúde e estética corporal. E com isso, houve um crescimento no comércio fitness, roupas de ginástica, cada vez mais modernas e tecidos tecnológicos, garrafinhas, bolsas térmicas, tênis fashion, academias femininas, entre outros, são produtos que surgiram graças ao grande número de mulheres no esporte, que esse comércio não era comum quando a prática era mais específica para homens..

Leia Também:

Objetivos da musculação feminina

As mulheres estão participando crescentemente dos exercícios resistidos. Esta participação se estende em diversas idades, variando de adolescentes a jovens adultas com o objetivo de buscar incrementos em seus desempenhos atléticos a mulheres mais idosas buscando manter uma vida independente e mais longevidade.

Cada vez mais exercícios resistidos estão sendo prescritos para mulheres como terapia coadjuvante para várias doenças e condições como menopausa, diabetes, obesidade, prevenção da osteoporose e qualidade de vida na gravidez..

Resposta hormonais

Sabe-se que o treinamento de força é um estimulo eficiente tanto para o aumento de força quanto da hipertrofia da fibra, e acredita-se que o meio hormonal é importante na regulação das adaptações do músculo ao treinamento resistido.

A testosterona, o hormônio do crescimento, e outros fatores de crescimento, tem sido envolvidos na resposta de hipertrofia ao treinamento de força. Mulheres realizando um treinamento resistido por 2 meses tem níveis mais elevados de testosterona do que as demais sedentárias.

Hipertrofia

As diferenças de gênero no trabalho de força absoluto são bem documentadas, por exemplo, tem sido reportado que na média, se considerando força do corpo todo, a força da mulher é somente 63,5% daquela observada na média para o homem. Quando massa corporal magra e grupo muscular são levados em consideração, estas diferenças são alteradas..

A força de membros superiores e tronco das mulheres é menor do que a dos homens independente de como comparado, mas a força dos membros inferiores das mulheres é comparável aquela encontrada em suas contrapartidas do sexo masculino.

Perda de peso

Muitas mulheres podem iniciar a musculação com o interesse em perda de peso ou melhorar a composição corporal. A dieta hipocalórica é o método mais potente para reduzir o peso corporal num período curto. Quanto maior a restrição calórica, maior e mais rápida a perda de peso. Isto frequentemente tem resultado em uma taxa metabólica em repouso decrescente, o que torna a manutenção por longo tempo de perda de peso mais difícil. Estas consequências indesejáveis são mais comuns nas mulheres de meia idade e idosas, as quais são mais vulneráveis a atrofia muscular e diminuição na densidade mineral óssea associadas a idade.

Algumas mulheres declararam que um de seus objetivos é “redução localizada” de gordura corporal, referindo-se à perda de peso de gordura de uma área específica do corpo, tal como a área abdominal. É importante observar que o treinamento resistido por si só não é eficiente para a redução de medidas. Para redução de medidas é necessário treino realizado com constância, exercícios aeróbicos  e defict calórico. 

Gestantes

Muitas mudanças fisiológicas e anatômicas ocorrem no corpo da mulher durante o período da gravidez. Portanto, a musculação entra como exercício para auxiliar a mulher a passar por essas mudanças, não somente na área física, mas, também, psicológica, tendo visto que as mudanças hormonais, que ocorrem no corpo, são as principais queixas das grávidas..

A curvatura lombar aumenta gerando lombalgia em aproximadamente 50% das gestantes. As alterações fisiológicas incluem aumento da frequência cardíaca de repouso, aumento da frequência respiratória, aumenta o volume sistólico e débito cardíaco e aumenta o retorno venoso. Com o aumento do útero ocorre a compressão dos vasos pélvicos que reduzem o retorno venoso, reduzindo a quantidade de sangue que retorna para o coração e aumentando a retenção de líquidos nos membros inferiores.

A inclusão do exercício físico pode trazer benefícios como redução do estresse cardiovascular, melhora da postura, prevenção do ganho de peso, prevenir a diabetes gestacional, auxiliar na recuperação mais rápida pós-parto, além de ajudar na autoimagem e controle da ansiedade. O exercício físico libera várias substâncias responsáveis por proporcionar bem-estar, portanto colaboram para que a gestação seja menos traumática, para a mãe e para o bebê.

Embora as mulheres geralmente não sejam tão fortes quanto os homens, sua habilidade para aumentar a força é na mesma velocidade. Acredita-se que a prescrição do treinamento com pesos para a maioria das mulheres não deveria diferir daquela recomendada para um homem que se encaixe na mesma faixa etária. Há poucas diferenças celulares entre os músculos de indivíduos do sexo masculino e feminino.

O treinamento é um grande aliado para tratar de algumas doenças, como diabetes, pressão alta, osteoporose, menopausa, entre outras e também para mulheres saudáveis com objetivos estéticos.

Então mulheres, podem ir sem medo para treinos de força, não vai ficar masculinizada, somente se fizer uso inadequado de hormônios e alimentação em excesso. 

.

Veiculação de conteúdo: Guaíba Online não responde ou emite juízo de valor sobre a opinião de seus colunistas. Os colaboradores são autores independentes convidados pelo portal. As visões de colunistas podem não refletir necessariamente as mesmas da plataforma Guaíba Online.

Comentários:
Jennifer Garske - Bem Estar

Publicado por:

Jennifer Garske - Bem Estar

Saiba Mais