TVGO | Guaíba Online

Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

👔 Política

Ex-vereador Renan Pereira deve voltar a trabalhar em Guaíba como médico concursado; veja detalhes

Médico foi investigado e afastado do cargo de vereador em abril de 2018 e conseguiu a suspensão do processo criminal em agosto de 2019

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Ex-vereador Renan Pereira deve voltar a trabalhar em Guaíba como médico concursado; veja detalhes
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O ex-vereador e ex-presidente da Câmara de Vereadores de Guaíba/RS, Renan Pereira, anunciou em suas redes sociais que está retornando à cidade para trabalhar novamente como médico, desta vez como aprovado em concurso público. O chamamento foi publicado na sexta-feira (17) e assinado pelo Prefeito Marcelo Reinaldo (PDT) - veja imagem abaixo.

Em postagens nas redes sociais ele comemorou dizendo "Guaíba, estou retornando, como médico concursado desse município. Vocês não imaginam como é bom estar de volta na cidade que eu amo. Serei médico da saúde da família nesse município que me acolheu como filho. O bom filho, a casa torna! Viva!"

Investigado e afastado do cargo de vereador em abril de 2018 por ordem da Justiça durante operação investigativa conduzida pelo Ministério Público, Renan foi responsabilizado no relatório final da CPI da Câmara guaibense por associação criminosa, fraude à licitação, inserção de dados falsos, exercício ilegal da medicina, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, incompatibilidade com o cargo, peculato, clientelismo, ocultação de bens e sonegação fiscal.

Leia Também:

Em agosto de 2019, Pereira obteve a suspensão do processo criminal por fraude a licitações e associação criminosa. Naquela oportunidade, Renan se pronunciou sobre o resultado final do processo: "Sempre disse que não cometi nenhum crime, e que fui perseguido politicamente em Guaíba, por medo do meu  potencial político. Sempre afirmei que iria provar minha inocência."

As investigações procuravam fraudes em licitações que apontaram prejuízo de aproximadamente R$ 4,9 milhões em 14 contratos, assinados entre 2014 e 2017, em Guaíba. O médico ainda foi acusado por indícios da atividade ilegal de "fura-fila" no SUS no Hospital de Pronto-Atendimento Solon Tavares (Regional), hoje Hospital Nelson Cornetet.

 

 

 

 

Comentários: