TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

📚 Educação

Acordo põe fim à greve de docentes em Universidades e Institutos Federais

Acordo mediado pelo governo federal encerra paralisação e prevê reajuste salarial a partir de 2025.

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Acordo põe fim à greve de docentes em Universidades e Institutos Federais
Fabio R Pozzebom - Agência Brasil
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Após 60 dias de greve, docentes das universidades e institutos federais chegaram a um acordo com o governo federal, pondo fim à paralisação. O termo de acordo será assinado na próxima quarta-feira (26 de junho) e prevê a desmobilização da greve até o dia 3 de julho.

Apesar de reconhecer que as propostas governamentais "não atendem plenamente às demandas da categoria", o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) ressalta que os termos do acordo "refletem avanços conquistados graças à força da mobilização". O sindicato também afirma que "a conjuntura atual aponta para os limites do processo negocial", o que levou à decisão de encerrar a greve.

Reajuste salarial e outras medidas

Leia Também:

O acordo prevê a reposição das perdas salariais acumuladas desde 2019, a ser implementada em três parcelas: 4,5% em janeiro de 2025, 3% em maio de 2025 e 4,5% em janeiro de 2026. Além disso, o acordo inclui medidas como a regulamentação da jornada de trabalho de 30 horas semanais para os docentes, a valorização da carreira docente e a destinação de recursos para pesquisa e extensão.

O impacto da greve

A greve dos docentes impactou o funcionamento das universidades e institutos federais em todo o país, com a suspensão de aulas, pesquisas e serviços administrativos. O movimento reivindicava reajuste salarial, melhores condições de trabalho e investimento na educação pública.

O futuro da educação federal

Com o fim da greve, as atividades nas instituições federais devem voltar a se normalizar gradativamente. No entanto, o Andes-SN afirma que a luta por melhores condições de trabalho e por uma educação pública de qualidade continuará.

 

Você pode gostar de ler também as seguintes notícias:

 

 

 

 

FONTE/CRÉDITOS: Contém informações da Agência Brasil
Comentários: