TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

Geral

A escolha que o “eu“ faz: somos responsáveis por nossas escolhas ou elas são um mero resultado do dia a dia?

Somos responsáveis por nossas ações ou seriam elas um mero resultado da causalidade dos pequenos acontecimentos do dia a dia?

Tarso Vigil - Filosofia de Bar
Por Tarso Vigil - Filosofia de Bar
A escolha que o “eu“ faz: somos responsáveis por nossas escolhas ou elas são um mero resultado do dia a dia?
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Façamos o seguinte exercício mental de reflexão. E para isso é necessário que você faça a seguinte pergunta: somos responsáveis por nossas ações? Somos responsáveis por nossas escolhas? Ou, na melhor hipótese do espectro da subjetivação, elas seriam um mero resultado da causalidade dos pequenos acontecimentos do dia a dia?

..

A “máquina social”, e máquina no sentido de “[...] conjunto das inter-relações de seus componentes independentemente de seus próprios componentes” (VARELA apud GUATTARI, 2012, p. 50), sendo esta a indutora dos modos de vida e promotora da composição de uma realidade não virtual e desterritorializada, mas que de alguma maneira falseia uma virtualidade baseada em um agenciamento maquínico.

Leia Também:

O “acontecimento internet” promove uma realidade em que o pseudo “eu”, um “eu” feito de “si próprio” [... Como provavelmente diria o “Ídalo sescual” Alberto Roberto] não somente faz escolhas como as produz. Talvez a bússola daquilo que podemos definir como moral, imoral e amoral esteja totalmente às avessas? Não, não e mil vezes não. [Isso foi no melhor estilo de tá, tá, tá e tá...] o talvez aqui neste caso não se enquadra, pois o óbvio está explícito e a resposta com certeza é sim.

O “acontecimento internet” promove uma realidade em que o pseudo “eu”, um “eu” feito de “si próprio", não somente faz escolhas como as produz.

A retórica é uma obrigação para esse tipo de pergunta, mas, diante dessa conjuntura nebulosa a que estamos acometidos, ou melhor, fomos acometidos pela ignorância, pela insensatez, pelo egoísmo, pela intolerância, pela ingratidão e por uma total irresponsabilidade inclusive por aqueles que optaram pela Tour Eiffel, se faz necessário responder. Claro que a ignorância nesse caso não foi uma bênção, bem pelo contrário e mesmo que não se tenha tido a total noção dos fatos que compuseram o objeto, a falta de conhecimento não é escusável; ainda mais quando temos que assistir semanalmente ao circo que é uma mistura de Al-Qaeda com Zorra Total [... Créditos para o Azevedo].

.

Vejamos o seguinte: não adianta pensar de uma maneira que às escolhas impactem somente a sua vida, baseada no “eu”, pois é nesse momento que a causalidade irá compor, irá complementar as lacunas desse egocentrismo, pois, embora a resposta para a primeira e segunda perguntas seja afirmativa, a causalidade permeia todos os caminhos e, sempre que a escolha estiver sob a égide do “eu”, o impacto dela será maior. Diante de toda esta indagação, me ocorreu que é bem provável que a bússola que tenham utilizado para indicar e continuar indicando algumas das escolhas seja a mesma do Jack.

Veiculação de conteúdo: Guaíba Online não responde ou emite juízo de valor sobre a opinião de seus colunistas. Os colaboradores são autores independentes convidados pelo portal. As visões de colunistas podem não refletir necessariamente as mesmas da plataforma Guaíba Online.

Comentários:
Tarso Vigil - Filosofia de Bar

Publicado por:

Tarso Vigil - Filosofia de Bar

Saiba Mais