TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Geral

A musicalidade literária de Guilherme Lessa Bica e sua relação com a palavra escrita

O escritor acredita que Guaíba é um celeiro de talentos

Ivan Bittencourt - Cultura
Por Ivan Bittencourt - Cultura
A musicalidade literária de Guilherme Lessa Bica e sua relação com a palavra escrita
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Retomando as colunas sobre a literatura local, hoje trazemos até você o jornalista, escritor e músico, Guilherme Lessa Bica, que no meu ponto de vista, é um dos autores que mais pulsa Guaíba em suas obras, deve-se o fato em parte, por sua coluna literária em um jornal da cidade desde 2014, de onde vieram os contos, poemas e crônicas do Guaíba Labirinto, seu primeiro livro, lançado em 2017.
?
“De forma consciente, comecei a tentar escrever contos quando me transformei, de fato, em um leitor, e isso aconteceu já na faculdade, onde encontrei professores que me encaminharam para a biblioteca” – responde Guilherme quando questionado por que começou a escrever. E Continua: “E aí me dei conta que a relação com a palavra já existia em mim desde muito antes, de quando ainda guri. Nas canções tradicionalistas na radio que o meu pai escutava nas manhãs de domingo, enquanto preparava a churrascada, nas canções de música brasileira, das mais comerciais às mais cultuadas que minha mãe consumia em CDs espelhados pela casa, por isso, vejo que minha relação com a palavra escrita, mesmo em prosa, demanda uma musicalidade, um ritmo próprio, como se recuperasse essa canção interior, mas, basicamente, é isso: comecei a escrever porque tive quem me ensinasse a ser leitor”.
?
Conhecedor da literatura local, o escritor acredita que Guaíba é um celeiro de talentos, e que necessita ainda de um poder público que crie condições para que esses jovens talentos se desenvolvam. Participante ativo de coletivos da área, o autor acredita muito nos movimentos de caráter mais comunitário e independente, citando, por exemplo, os daqui: CELIG, Café com Letras, Leialogo, Cosmopolitanos e Comparsaria das Façanhas, e ainda nos relembra: “Só teremos uma literatura fortalecida, quando tivermos políticas publicas que formem bons leitores.” Espero que curtam pessoal, desejo para as mamães um Feliz dia das Mães, até semana que vem. Um abraço.

Comentários:
Ivan Bittencourt - Cultura

Publicado por:

Ivan Bittencourt - Cultura

Saiba Mais