TVGO | Guaíba Online

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Geral

Leitores, me deem licença para falar deste pequeno covarde: o amor

Foi amor mesmo quando não vingou ou não foi reconhecido

Elivelto Corrêa - Opinião
Por Elivelto Corrêa - Opinião
Leitores, me deem licença para falar deste pequeno covarde: o amor
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

“É sempre amor. Mesmo quando não se realiza. Mesmo quando não lhe é dado o seu lugar de direito. Mesmo quando se esconde, trêmulo, entre as complicações e descaminhos da vida”

Vocês, fiéis leitores, vão sempre me ver - me ler - arejando de muita poesia alguns temas que poderiam ser tratados de forma prática. Me desculpem por isso. O que acontece, é que eu creio, convictamente, no sentimento e no instinto como formas de comunicação das mais confiáveis. É inteligência emocional que chama, não é?

De qualquer maneira, amor e instinto, penso eu, são territórios mais da poesia do que da ciência. E não se enganem: eu amo a ciência e a defenderei. Porém “amo” e sendo, antes de tudo, amoroso, tenho no amor o meu melhor argumento.

Leia Também:

É ele, o amor, e não eu, quem joga poesia em tudo. Eu apenas o publico.

Então, com a licença do dia dos namorados, recém passado, eu vou continuar falando do amor, que só nesta página já foi mencionado umas sete vezes sem que nunca se esgote. Sem que nem sequer perca a potência.

Para sair do lugar comum, porém, eu vou falar dele, não nas suas muitas qualidades, mas no seu pior defeito. Pois o amor, estejam avisados, é um notório covarde! Sim. E digo para que ninguém se desgaste, se perguntando nas noites de insônia, se aquilo era amor. Pois, invariavelmente, era! Foi amor mesmo quando não vingou. Foi amor mesmo quando não foi cuidado ou reconhecido. E, em muitas vezes, foi amor mesmo quando não foi dito. O foi, mesmo quando não se mostrou. Pois o amor é esse bichinho arisco que se esconde. Que morre de medo. Que não abre as asas na luz do dia. O amor pode ser essa coisa de voz sumida que gagueja ao confessar que ama. Que prefere mandar mensagens ou deixar bilhetes nem sempre assinados.

O amor é um grande dono de terras. O proprietário de empresas e o maior acionista. Ele é o herdeiro de todo o reino, mas que é modesto demais para admitir que reina onde reina. Mesmo sendo, indiscutivelmente, o dono da porra toda!

Então, confie no seu sentimento e no seu instinto, e não se exaspere se questionando se foi amor.

É sempre amor. Mesmo quando não se realiza. Mesmo quando não lhe é dado o seu lugar de direito. Mesmo quando se esconde, trêmulo, entre as complicações e descaminhos da vida.

> Oferecimento:
- Venha conhecer e abastecer no novo Posto da 20
- Aprenda inglês em Guaíba na Zawacki Academy

Comentários:
Elivelto Corrêa - Opinião

Publicado por:

Elivelto Corrêa - Opinião

Saiba Mais