TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

🚘 Transporte e Veículos

Companhias aéreas poderão começar a vender passagens para voos com destino à Base Aérea de Canoas

Serão 35 voos por semana, com uma expectativa de 6 mil passageiros.

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Companhias aéreas poderão começar a vender passagens para voos com destino à Base Aérea de Canoas
Reprodução - Google Maps
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

As companhias aéreas poderão iniciar a venda de passagens para a Base Aérea de Canoas, no Rio Grande do Sul, a partir da terça-feira (21). Os voos começam na quarta-feira (22), conforme anunciado pelo ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, na segunda-feira (20).

Serão realizados 35 voos semanais para a Base Aérea de Canoas, com uma estimativa de atender cerca de 6 mil passageiros. Esta medida é uma alternativa ao Aeroporto Internacional Salgado Filho, que foi interditado devido às fortes chuvas no estado.

Além dos voos para Canoas, o plano emergencial prevê um total de 134 voos semanais para o Rio Grande do Sul. Esses voos serão distribuídos entre diversos aeroportos de pequeno e médio porte no estado. A distribuição de voos é a seguinte:

Leia Também:

  • Aeroporto de Caxias do Sul: 39 voos semanais
  • Aeroporto de Santo Ângelo: 6 voos semanais
  • Aeroporto de Passo Fundo: 21 voos semanais
  • Aeroporto de Pelotas: 6 voos semanais
  • Aeroporto de Santa Maria: 3 voos semanais
  • Aeroporto de Uruguaiana: 3 voos semanais
  • Aeroporto de Florianópolis: 14 voos semanais
  • Aeroporto de Jaguaruna: 7 voos semanais
  • Base Aérea de Canoas: 35 voos semanais

O Ministério de Portos e Aeroportos consultou a concessionária Fraport, responsável pela administração do Aeroporto de Porto Alegre, sobre a possibilidade de operar a Base Aérea de Canoas em caráter emergencial. A empresa manifestou disponibilidade, mas não há confirmação se a transferência de operação será realizada.

 

FONTE/CRÉDITOS: Contém informações do portal G1.
Comentários: