TVGO | Guaíba Online

Metropolitana: Polícia Civil faz megaoperação contra grupo que entregava drogas há 10 anos

🚔 Segurança e Polícia

Metropolitana: Polícia Civil faz megaoperação contra grupo que entregava drogas há 10 anos

Com mais de 350 ordens judiciais, mandados foram cumpridos em várias cidades, como Porto Alegre e Eldorado do Sul.

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul, por meio da 3ª Delegacia de Investigação do Narcotráfico (3ª DIN) do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc), deflagrou nesta quarta (30) a operação Erga Omnes com o objetivo de desarticular um esquema organizado de tele-entrega de entorpecentes em Porto Alegre e região metropolitana que lavava dinheiro com empresas de fachada.

Ao todo, 300 policiais civis do Denarc, em 100 viaturas, com apoio da CORE, deram cumprimento a mais de 350 ordens judiciais, sendo 43 de prisão, 54 de busca e apreensão, bloqueios de conta, sequestro de bens e quebras de sigilo. No Rio Grande do Sul, os mandados foram cumpridos em Porto Alegre, Taquara, Xangri-lá, Tapes, Osório, Santa Cruz do Sul, Cachoeirinha, Gravataí, Canoas, Eldorado do Sul e Capão da Canoa. 32 pessoas foram presas.

Leia também: Guaíba inaugura a Subprefeitura do bairro Pedras Brancas

A ação acontece após mais de um ano de investigação. As apurações iniciaram após uma série de prisões efetuadas que permitiram delimitar o esquema e as funções de todos os membros do grupo. Foi possível contatar pessoas com alto poder aquisitivo participando ativamente da organização criminosa, como advogados, contadores, empresários e bioquímicos.

O Delegado Gabriel Borges, titular da 3ª DIN, destaca que foi um duro golpe ao crime organizado, desarticulando um grupo criminoso que atua há pelo menos uma década.

 

O Delegado Alencar Carraro, Diretor de Investigações do Narcotráfico, ressalta que o resultado é fruto de um intenso trabalho de investigação, atacando as lideranças do crime organizado e o patrimônio oriundo do tráfico de entorpecentes.

A investigação prossegue para identificar e responsabilizar criminalmente os demais integrantes do grupo criminoso.

Leia também: Novo aumento: Guaíba tem quase 200 casos de covid em recuperação domiciliar

 

FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): PCRS
Comentários: