Guaíba Online

MENU
Logo
Quarta, 20 de outubro de 2021

🚘 Transporte e Veículos

TRT-RS determina circulação de 30% da frota da Expresso Assur durante greve dos rodoviários, em Guaíba

Decisão ocorre após o magistrado declarar encerrada a mediação conduzida pelo Tribunal

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback/h5>
Máximo 600 caracteres.
enviando

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) determinou, nesta quinta-feira (21), que durante a greve dos rodoviários da empresa Expresso Assur, de Guaíba, o serviço de transporte público seja mantido com 30% da frota utilizada pela concessionária no período da pandemia.  Os trabalhadores estão em greve, reivindicando o pagamento de parte do salário de dezembro e da integralidade do 13º salário de 2020, que estão atrasados.

A liminar foi proferida pelo vice-presidente do TRT-RS, desembargador Francisco Rossal de Araújo. A decisão ocorre após o magistrado declarar encerrada a mediação conduzida pelo Tribunal. A última audiência para tentativa de conciliação ocorreu no fim da tarde dessa quarta-feira (20). Mais uma vez, não foi possível o acordo entre as partes sobre o pagamento dos valores em atraso. Os empregados da Assur são representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Guaíba.

Na liminar, o desembargador Rossal destaca que, segundo a Lei de Greve, os sindicatos, os empregadores e os trabalhadores ficam obrigados a garantir, durante o movimento grevista, a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade. Conforme a mesma lei, as necessidades inadiáveis da comunidade são aquelas que, quando não atendidas, colocam em perigo iminente a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população. “É evidente que a não prestação de serviço de transporte coletivo pode colocar em risco a população de Guaíba, em especial, quanto ao acesso à saúde, em momento tão delicado no que diz respeito à pandemia causada pela Covid-19”, justificou.

O magistrado também reconhece o prejuízo sofrido pelos trabalhadores, em razão dos reiterados atrasos no pagamento dos salários, do vale-alimentação e da cesta básica, bem como do 13º salário de 2020. “Diante dessas considerações, cabe a este julgador estabelecer o percentual mínimo para garantir a prestação dos serviços essenciais sem, entretanto, prejudicar de forma demasiada o movimento grevista, que se mostra legítimo, frente ao inadimplemento recorrente de verbas de caráter alimentar”, frisou.

Em caso de descumprimento da liminar, o desembargador fixou multa diária de R$ 5 mil, a ser paga pelo sindicato.

Acesse aqui a íntegra da liminar.

 

 

Fonte/Créditos: TRT-RS 4ª Região

Comentários:

Veja mais