TVGO | Guaíba Online

Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

Geral

Pandemia e os danos ambientais não pensados, como descarte irresponsável e incorreto de materiais

Isto pode colocar a vida de outras pessoas em risco de contaminação

Aline Stolz - Papo Ambiental
Por Aline Stolz - Papo Ambiental
Pandemia e os danos ambientais não pensados, como descarte irresponsável e incorreto de materiais
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Aquilo que protege também pode se tornar uma ameaça. Máscaras, luvas e EPI’s diversos usados para evitar o avanço do Coronavírus devem ser descartados de modo adequado. 

Leia também: Os diversos benefícios da Coleta Seletiva nos municípios e o processo de educação ambiental

Trata-se de material com possibilidade de infecção às pessoas e ao Meio Ambiente. E por esses motivos, podem prejudicar várias outras pessoas, como as que fazem a coleta dos resíduos da sua casa, podendo funcionar como difusores da doença, assim como o ambiente em que esses mesmos circulam, já que estudos apontam que o vírus fica ativo por horas ou até dias, conforme a superfície em que se encontrar. 

Leia Também:

O descarte correto deve ser uma preocupação urgente do órgão municipal. Prefeituras do mundo inteiro enfrentam o desafio de recolher luvas, máscaras e demais EPI’s deixados em ruas, calçadas, praças e demais locais públicos. 

É um péssimo hábito que tem se tornado corriqueiro entre as pessoas: abandonar material sem qualquer cuidado antes de entrar em casa ou no carro, emporcalhando os locais de convivência. Trata-se de uma postura que coloca em risco pessoas que circulam pelos mesmos espaços e também equipes responsáveis pela limpeza pública, sem pensar na responsabilidade coletiva quando desrespeitada a Lei dos Resíduos Sólidos – Lei Federal Nº 12305/2015.

"O descarte correto
deve ser uma
preocupação urgente
do órgão municipal"


A preocupação também deve se dar àqueles que realizam a coleta seletiva ou catação, visto que já são pessoas em vulnerabilidade social. 

Segundo a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental vem ocorrendo uma precaução necessária para diminuir riscos e a solução do problema vem de casa e da consciência de um coletivo, mesmo que haja uma maneira certa e segura para descartar a máscara. 

1. Descarte ideal para Não Infectados

  • É preciso usar dois saquinhos plásticos - um dentro do outro para o descarte de Máscaras e Luvas. Ao retirar a máscara do rosto, segure apenas pelo elástico e lave as mãos antes e depois. Com a máscara lá dentro, é só amarrar os saquinhos e jogar no lixo do banheiro, já que esse é considerado um lixo comum pois não contém nenhum material reciclável. Logo, se imagina que esse lixo não vai entrar em contato com outras pessoas e que ele vai para o seu destino sem nenhum contato.
  • Deve ser realizado na coleta domiciliar regular ou nos contêineres, para lixo orgânico e rejeitos.
  • Identificar o material e não encher demais a sacolinha.
  • O material não deve ser separado para coleta seletiva, destinada a recicláveis, nem ser doado sob hipótese alguma a catadores.
  • Já a máscara de pano precisa ser lavada, sempre depois de utilizada. Pode-se usar água e sabão ou deixar de molho, por 30 minutos, numa solução de água com água sanitária. Depois, é só deixar secar.
  • Atitudes simples para evitar a proliferação do vírus, cuidar da nossa saúde e de quem está lá na outra ponta: os trabalhadores que vivem da Catação de Materiais Recicláveis.  
  • Em hipótese alguma os EPI’s devem descartados na coleta seletiva ou na sacola que será destinada ao catador. 

 

2. Em residências em que há casos suspeitos ou confirmados de Coronavírus:

  • Qualquer resíduo não reutilizável, não apenas luvas e máscaras, deve ser descartado como hospitalar e não lixo orgânico, devendo ser separado de odos os demais e posteriormente encaminhados a uma UBS ou hospital para ser encaminhado à coleta de materiais perigosos, conforme a Resolução ANVISA – RDC Nº 222/2018. 
  • Nesses casos, é preciso usar sacos duplos, fechados com lacre ou nó, com até dois terços de sua capacidade preenchida.
  • Se o cidadão contaminado ou em suspeita estiver em isolamento em condomínio, a recomendação é avisar o síndico, que deverá orientar funcionário responsável pelo recolhimento de resíduos do condomínio, com objetivo de manuseio mínimo. 

Como dizem as campanhas por aí, se cada um fizer a sua parte, em breve todos estaremos juntos novamente, aproveitando tudo o que o Meio Ambiente tem para nos dar. Seja consciente e responsável: Fique em casa!

Leia também: Em tempos de pandemia, a Camada de Ozônio se recupera a olhos vistos

Comentários:
Aline Stolz - Papo Ambiental

Publicado por:

Aline Stolz - Papo Ambiental

Saiba Mais