TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Geral

Uma infância roubada: vamos entender o caso da menina capixaba de 10 anos que chocou o Brasil

Trata-se de uma vida roubada de maneira brutal. E o pior: por quem deveria protegê-la

Caroline Moura - Direito e Justiça
Por Caroline Moura - Direito e...
Uma infância roubada: vamos entender o caso da menina capixaba de 10 anos que chocou o Brasil
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

“Uma infância roubada”. Tenho certeza que essa frase não sai da cabeça de muitos brasileiros nos últimos dias.

Mais do que uma simples frase, é um sentimento, uma dor que açoita a alma. Uma menina de dez anos, estuprada desde os seis, que engravida supostamente do seu tio, não é qualquer notícia. Não é qualquer página de jornal que a gente lê, esquece e já passa para a próxima. Trata-se de uma vida roubada de maneira brutal. E o pior: por quem deveria protegê-la.

Não bastasse toda essa dor, a criança, que teve seu aborto autorizado pela justiça do estado do Espírito Santo, amparada pela legislação, teve que lidar com a recusa do hospital de Vitória/ES em realizar o procedimento para interrupção da gravidez. Felizmente a justiça, na intenção de amenizar todo esse sofrimento, providenciou na realização do procedimento em hospital de referência no estado de Pernambuco.

Leia Também:

No domingo, dia 16, em que a menina chegou ao hospital de Pernambuco, religiosos protestaram contra a interrupção da gestação e tentaram invadir a maternidade. A criança também teve ilegalmente seus dados divulgados na internet. O tio, acusado de ser o autor do crime, foi preso nesta terça-feira (18), quando estava foragido em Betim (MG).

Entretanto, em que pese os esforços da justiça e da medicina, quem ficará aprisionada, inclusive em prisão perpétua, é a própria vítima. Quem diz que a prisão perpétua não é admitida no Brasil é porque nunca passou pelo tormento que essa criança vivenciou e vivenciará pelo resto de seus dias.

É claro que o acompanhamento psicológico, médico e social será de extrema importância e amenizará os danos sofridos. Mas lamentavelmente essa história nunca se apagará. Nem da mente da menina, nem da própria História. Numa tentativa de recomeço, a criança vai mudar de endereço. Além disso, receberá uma nova identidade e não vai retornar para a cidade de São Mateus, no Espírito Santo.

Em fevereiro de 2019, o Datafolha, em pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), avaliou o impacto da violência contra as mulheres no Brasil. O levantamento mostra que 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento e que 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. 42% dos casos de violência ocorreram dentro de casa. 76,4% das mulheres que sofreram violência, dizem que o agressor era alguém conhecido.

Diante disso tudo, meu conselho é que, independentemente de sua religião ou crença, lute, da maneira que puder, para que o judiciário e a medicina não tenham mais que amenizar a dor de vítimas de violência doméstica. E para que essas vítimas não sejam mais submetidas à prisão perpétua, nas grades das suas próprias lembranças.

Veiculação de conteúdo: Guaíba Online não responde ou emite juízo de valor sobre a opinião de seus colunistas. Os colaboradores são autores independentes convidados pelo portal. As visões de colunistas podem não refletir necessariamente as mesmas da plataforma Guaíba Online.



Comentários:
Caroline Moura - Direito e Justiça

Publicado por:

Caroline Moura - Direito e Justiça

Saiba Mais