TVGO | Guaíba Online

Sabado, 13 de Julho de 2024

💼 Vagas de Emprego

Iniciativa visa unir desabrigados a oportunidades de emprego; saiba como se cadastrar

SOS RS é uma plataforma com o objetivo principal de proporcionar assistência humanitária e promover a solidariedade

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Iniciativa visa unir desabrigados a oportunidades de emprego; saiba como se cadastrar
Cesar Lopes/ PMPA
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A plataforma SOS-RS, dedicada a auxiliar as vítimas das recentes enchentes no Rio Grande do Sul, anunciou uma nova iniciativa com o propósito de conectar abrigos em Porto Alegre a oportunidades de emprego oferecidas por empresas locais.

A proposta consiste na criação de um formulário digital que será preenchido pelos desabrigados com a assistência de voluntários. Esse formulário coletará informações sobre habilidades, qualificações e interesses dos desabrigados, buscando facilitar a conexão entre candidatos e empresas interessadas em oferecer oportunidades de emprego.

O projeto busca facilitar a reintegração dos desabrigados ao mercado de trabalho, visando apoiar a recuperação econômica das famílias afetadas e das empresas.

Leia Também:

O processo envolve o preenchimento assistido do formulário por voluntários nos abrigos, garantindo a coleta precisa e completa das informações necessárias. As vagas de emprego disponíveis serão cadastradas na plataforma SOS RS e categorizadas de acordo com os interesses e qualificações dos candidatos, facilitando o processo de correspondência entre candidatos e empresas.

A SOS RS convida empresas de todos os setores a participarem da iniciativa, oferecendo vagas de emprego e contribuindo para a reconstrução da economia das famílias desabrigadas e do estado.

Para mais informações, os interessados podem acessar o link .

Sobre a SOS RS

A SOS RS é uma plataforma com o objetivo principal de proporcionar assistência humanitária e promover a solidariedade, conectando doadores e voluntários às necessidades emergenciais das comunidades afetadas.

 

Comentários: