Guaíba Online

MENU
Logo
Quinta, 15 de abril de 2021

💉 Coronavírus

RS aciona último nível de plano emergencial e hospitais devem utilizar todos os espaços para atender casos de Covid

Centro de Operações em Emergência lança alerta máximo sobre a aceleração da disseminação da Covid-19 e faz recomendações à população

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback/h5>
Máximo 600 caracteres.
enviando

Diante de uma ocupação superior a 90% dos leitos de UTI no RS e de números negativos que aumentam a cada novo dia, a Secretaria da Saúde (SES) acionou nesta quinta-feira (25/2) o último nível da fase 4 do Plano de Contingência Hospitalar, montado no início da pandemia. “Esta é maior taxa de ocupação até agora, uma situação de extrema gravidade, e será necessária a utilização de espaços disponíveis em cada instituição da rede hospitalar do Estado”, explica o diretor do Departamento de Regulação Estadual, Eduardo Elsade.

Além da suspensão imediata das cirurgias eletivas (com exceção das cirurgias de urgência ou que representem risco para o paciente), deverão ser instalados leitos emergenciais em salas de recuperação e em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) intermediárias. Junto à ocupação dessas áreas a serem disponibilizadas, deverão também ser acionadas as equipes técnicas desses setores, especialmente as equipes médicas e de enfermagem.

“A partir de agora, os hospitais gaúchos, entre públicos e privados, têm o compromisso de disponibilizar toda a sua estrutura para atendimento de casos de Covid-19, porque estamos na fase mais crítica, que precisa de atitudes mais drásticas”, explicou a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

Conforme indicava o mapa de leitos no início da tarde desta quinta-feira (25/2), 2.698 leitos de UTI estavam ocupados no RS, incluindo leitos com atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e os privados, a maior taxa de ocupação da pandemia. A lista de espera por leitos em UTI também só cresce. No dia 13 de fevereiro, dois pacientes em estado gravíssimo aguardavam transferência para um leito de UTI. Nesta quinta, o número de pacientes com risco de morte esperando atendimento de UTI é de 30. Outro dado preocupante é cerca de 60% dos pacientes que internam em UTIs morrem.

“Mais de 12 mil gaúchos já perderam a vida para a Covid-19, número maior do que a população de 351 municípios gaúchos. Diante desse cenário catastrófico, a necessidade seria abrir 60 novos leitos de UTI por dia, mas isso jamais será possível”, afirma a secretária Arita.

O Plano de Contingência Hospitalar foi elaborado no início da pandemia e já teve novas versões que acompanharam o avanço da doença. O plano é estruturado em quatro fases e cada uma das etapas sinaliza as ações e a forma como a SES deve organizar os serviços hospitalares e a movimentação da rede para acesso dos pacientes aos serviços.

Clique aqui e acesse o Plano de Contingência Hospitalar.

Centro de Operações em Emergência lança alerta máximo sobre a aceleração da disseminação da Covid-19

O Centro de Operações em Emergência (COE), do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), publicou um alerta máximo à população gaúcha nesta quinta-feira (25/2) sobre o aumento da transmissão da Covid-19 no Rio Grande do Sul. O documento recomenda e reafirma ações efetivas que possam diminuir a transmissibilidade do coronavírus a partir do comportamento individual e coletivo na sociedade gaúcha.

O alerta chama a atenção para o aumento exponencial de pacientes hospitalizados pela Covid-19, que alcança marcas diárias, superando projeções, com dados que confirmam a alta concentração de circulação viral.

Recomendações do COE/Cevs:

1. Diminuir a circulação de pessoas.
a. Ficar em casa.
b. Respeitar o distanciamento físico de 2 metros entre pessoas que moram em casas diferentes.
c. Evitar/não realizar reuniões públicas, viagens ou atividades não essenciais.

2. Identificar e isolar pessoas sintomáticas ou casos suspeitos da Covid-19
a. Testar pessoas sintomáticas ou contactantes de forma ativa e oportuna.
b. Garantir isolamento de todas as pessoas com caso suspeito ou confirmado.

3. Usar de forma adequada as máscaras e higienizar as mãos.

Assinam este documento, mais de 20 instituições e entidades de representação de categorias profissionais:

Ministério Público Federal
Ministério Público do Rio Grande do Sul
Ministério Público do Trabalho
Procuradoria-Geral do Estado
Conselho Estadual de Saúde
Federação das Santas Casas
Hospital de Clinicas de Porto Alegre
Grupo Hospitalar Conceição
Cosems/RS – Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul
Famurs – Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul
Simers – Sindicato Médico do Rio Grande do Sul
Cremers – Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul
CRF – Conselho Regional de Farmácia
Coren-RS – Conselho Regional de Enfermagem
Sergs – Sindicato dos Enfermeiros do RS
Sindihospa - Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre
Amrigs – Associação Médica do Rio Grande do Sul
Defesa Civil
Ufrgs – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
TelessaudeRS-Ufrgs
Unimed Federação RGS

Clique aqui e acesse o texto sobre o alerta máximo.

 

Fonte/Créditos: Ascom SES / Secom RS

Créditos (Imagem de capa): Gustavo Mansur/Palácio Piratini/Arquivo

Comentários: