Guaíba Online

MENU
Logo
Domingo, 05 de dezembro de 2021

👥 Comunidade / Gente

Guaíba participa da campanha "16 Dias de Ativismos pelo Fim da Violência contra Mulheres"; veja detalhes

Primeira atividade acontece na sexta-feira (19), das 12 às 16h, no Largo José Cláudio Machado, em frente ao catamarã

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para Feedback/h5>
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma Campanha Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, evento anual, inicia no dia 19 de novembro e se estende até 4 de dezembro. Serão os "16 Dias de Ativismos pelo Fim da Violência contra as Mulheres", adotada também pela cidade de Guaíba..

Durante 16 dias são realizadas ações com o objetivo de conscientizar a população sobre a necessidade de erradicar a violência contra a mulher e divulgar as formas para coibir a violência de gênero. A campanha foi iniciada por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991, e continua a ser coordenada anualmente pelo Centro para Liderança Global das Mulheres, adotada no Brasil em 2003. A iniciativa da sociedade civil é apoiada pela campanha do Secretário-Geral da ONU e engaja ações globais para aumentar a conscientização e reflexão sobre o assunto, estimular e criar mais esforços de defesa e compartilhar conhecimentos e inovações. 

Em Guaíba, a primeira atividade acontecerá na sexta-feira (19), das 12 às 16h, no Largo José Cláudio Machado (em frente ao catamarã) e será promovida pelo Ministério Público, Gabinete da Primeira-Dama e Coordenadoria da Mulher..

Conforme publicação do Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef), a violência deve deixar de ser considerada normal ou até mesmo cultural no mundo inteiro. Segundo a entidade, "uma crença patriarcal torna a violência, como a agressão verbal, física, psicológica, até mesmo sexual, normalizada na sociedade. A impunidade desde os primórdios temporais nos impede de ter um número exato de agressões sendo ela qual for, dificultando as ações e conscientização social deste assunto, tornando as vítimas mais caladas e amedrontadas".

Por Tamyris Souza

.

Comentários: