TVGO | Guaíba Online

Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

🚔 Segurança e Polícia

Operação é realizada contra empresa suspeita de fraudes em aposentadorias e empréstimos consignados

Ministério Público do RS busca provas em São Leopoldo, Porto Alegre, Caxias do Sul e Passo Fundo

Redação TVGO
Por Redação TVGO
Operação é realizada contra empresa suspeita de fraudes em aposentadorias e empréstimos consignados
Divulgação / MPRS
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
Imagens

Uma operação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), denominada "Sucumbência", investiga uma empresa de consultoria previdenciária com sede em São Leopoldo por suspeita de aplicar golpes em idosos que buscavam revisão de pensão ou empréstimos consignados.

A operação, realizada nesta terça-feira (25), cumpriu cinco mandados de busca e apreensão em São Leopoldo, Porto Alegre, Caxias do Sul e Passo Fundo. Os crimes investigados são uso de documento falso, falsidade ideológica, estelionato e associação criminosa.

Segundo o promotor de Justiça Mauro Rockenbach, da 9ª Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre, a empresa abordava idosos por meio de panfletos ou ligações telefônicas, oferecendo revisão de aposentadoria ou empréstimos consignados. Em seguida, marcavam uma reunião na sede da empresa, onde falsos representantes do INSS convenciam as vítimas a fornecerem a senha de acesso ao banco de dados da Previdência.

Leia Também:

Com a senha, a empresa cobrava dos idosos um valor para ingressar com ações judiciais revisionais de aposentadoria. Em alguns casos, a empresa não ingressava com as ações e ficava com o dinheiro. Em outros, utilizava a senha para verificar se havia empréstimos consignados e, caso houvesse, ingressava com ações judiciais contra instituições financeiras usando documentos falsos.

O promotor ressalta que a empresa não buscava a restituição de valores para os idosos, mas sim o pagamento de honorários advocatícios pelas instituições financeiras. Se a empresa ganhasse a causa, ficava com o dinheiro sem o conhecimento dos idosos.

"Apesar de serem valores baixos individualmente, o montante total é significativo. Uma ação de revisão de juros com ganho de causa pode gerar R$ 2 mil ou R$ 3 mil em honorários. Se multiplicarmos isso por milhares de ações, o valor se torna muito grande", explica Rockenbach.

A investigação continua e o material apreendido será analisado para identificar outros envolvidos nos golpes.

 

Você pode gostar de ler também as seguintes notícias:

 

 

Comentários: